Escalada em Móvel no Costão

movel-no-costao01O mais importante numa escalada com proteção móvel é saber colocar bem as peças, o resto é guiar. E para aprender a usar com segurança friends e stoppers, a teoria é útil, mas a prática é fundamental. Essa prática deve ser continua, porque não se aprende em uma, duas ou três escaladas móveis. Serão necessárias muito mais horas de pedra.

O que faz o escalador são as vias que ele escolhe e como ele as escala. Então se você quer escalar bem em móvel, aproveite todas as chances que tiver para treinar. Importante é escolher vias fáceis para você, porque dependendo da via, a graduação aumenta se você a escalar em móvel. Isso acontece porque se gasta mais tempo e energia para colocar as peças, do que simplesmente costurar um grampo.

Infelizmente muitas vias no Rio, de baixa graduação que poderiam ser escaladas em móvel foram grampeadas. Você até pode escalar fendas grampeadas utilizando móveis, mas pode ter certeza, não é a mesma coisa. Numa fissura inteiramente em móvel, quando não é possível a ‘fuga’ para um grampo, as coisas mudam, a pressão sobre o escalador é maior, a responsabilidade em fazer boas proteções aumenta e o fator psicológico da guiada conta ainda mais. Quem já guiou o diedro Pégaso (IV, com grampos) e o diedro do Magia Vertical (IV, móvel) sabe. Como já disse o escalador Mauro Chiara, “a onda é bem diferente!”. Não dizem que guiar e participar são esportes diferentes? Arriscaria dizer então, que guiar com grampos e guiar inteiramente em móvel também são esportes diferentes.

movel-no-costao02

movel-no-costao03

movel-no-costao04 movel-no-costao05

 

 

 

 

 

movel-no-costao06 movel-no-costao07

 

 

 

 

Finalizando, aprenda e treine a colocação de peças móveis, mas não deixe de procurar vias realmente em móveis, dentro dos seus limites, claro. Um bom lugar para treinar, com muitas fendas, baixa graduação, boas colocações, fácil acesso e sombra a tarde é o lance de escalada do Costão do Pão de Açúcar. Na foto acima indicamos as fendas e as peças que podem ser usadas. O equipo que utilizamos foram os camolts .5, .75, 3 e 4, repetindo o .5 e o .75, e um stopper Black Diamond nº 11. O camalot 4 pode ser até dispensado. Esta é apenas uma sugestão entre as várias possibilidades.

Artigo publicado na Revista de Escalada Fator2 nº 35. Texto e fotos: Flavio Daflon. Escalador: Victor Barria.

Guia da Urca e da Floresta na Klettern

klettern-maio-2007Há um tempo atrás publicamos que os Guias de Escaladas da Urca e da Floresta estavam a venda também na Librería Desnivel, na Espanha. Agora para nossa grata surpresa encontramos também uma resenha dos mesmos livros na revista alemã de escalada Klettern de maio de 2007. São as escalada do Brasil fazendo sucesso no exterior. (03.03.09)